POSTAGENS RECENTES

quinta-feira, 31 de março de 2011

01 ABRIL - DIA DA MENTIRA



Photobucket


Mais um 1° de Abril... Atualmente, os trotes e as brincadeiras que caracterizam esse dia não são vistos mais com tanta frequência. Motivo? Os fatores sociais, como por exemplo, o excesso de trabalho e as preocupações diárias, principalmente nos grandes centros urbanos industrializados, onde o corre corre do dia-a-dia não dispensa tempo para tais brincadeiras.
Entretanto existem pessoas que ainda encontram tempo e se utilizam dessa data como um meio de entretenimento. Entre as crianças, de idades variadas, o dia da mentira ainda é uma sólida realidade, visto que nas escolas sofrem grande influência das brincadeiras em torno desse dia. Pergunto, então: Quem ensinou as crianças que 1° de abril é dia de mentir? Quais as consequências dessa brincadeira? Será que se trata mesmo de um hábito inocente?
Será que só as crianças mentem nesse dia?
Passar trotes e mentiras no dia 1° de abril é um costume comemorado em todo mundo. Nos Estados Unidos, esse dia é conhecido como April Fools Day; na França, Pisson d’ Avril; e em Portugal, O Dia dos Enganos.



A Origem Desse Dia

Por se tratar de folclore, existem várias interpretações atribuídas à origem do dia da mentira.

Alguns explicam que ele surgiu no século XVI, quando o rei Carlos IX, de seu Castelo de Rousillon, em Dauphine, França, baixou um decreto determinando que o ano deveria iniciar no dia 1° de janeiro, e não em 1° de abril, como acontecia. Os Franceses, então, aproveitaram esse fato para satirizar o dia 1° de abril, data em que se celebrava o ano novo. E fizeram isso com brincadeiras e ditos pitorescos, e muita gente, por ignorância ou falta de lembrança, caía nos enganos dos demais.

Outra versão para a origem do dia da mentira é contada pelos estudiosos. Segundo eles, o príncipe Loraine, ao fugir do Castelo de Nacy, pregou uma peça no rei Luís XIII exatamente nesse dia. Sua intenção era brincar com o rei, nadando pelo rio Meurthe. Com a impopularidade de Luís XVIII, os franceses aproveitaram o fato para ridicularizá-lo.

No Brasil, o folclórico dia da mentira foi trazido pelos portugueses.


Mas mentir não é atitude correta para pessoas do bem!...



O MAL DA MENTIRA

Intérprete: ZORA YONARA


Para ler e ouvir no site: Mensagens no ar

Para assistir no YouTube


Embora exista o dia da mentira
mentir faz mal. Causa atritos.
Desarmonia. Intrigas.
Qualquer tipo de relação baseada
na mentira, não é saudável.
Mentir é ruim para quem é enganado.
Mentir é ruim para quem conta a mentira.
E pior ainda: A mentira vicia. Tem gente que
vive de mentir. Inventar. Fofocar.
O mal do mundo é a mentira.
Quem mente um pouco no início,
acaba mentindo mais, vai aprendendo e com o passar do
tempo vai piorando.
A pessoa que mente não é confiável. Se a criança
percebe que o adulto está mentindo, mais
tarde ela também vai se achar no direito de
mentir e assim a mentira vai virando uma bola de
neve difícil ou impossível de ser controlada.
O dia da mentira só é saudável para ser levado
na brincadeira. Porque para o dia a dia,
bom mesmo é a verdade é ser verdadeiro, inteiro,
transparente, sem mentiras e falsidades, olhando nos olhos porque
a mentira acaba complicando a vida.



© Antônio Marcos Pires







segunda-feira, 28 de março de 2011

COMEMORAR A VIDA... APESAR DE TUDO...



Photobucket


Mais um mês se vai... A vida não pára...
Nem sempre temos motivos para comemorar, mas não podemos cruzar os braços...
A roda gira... A fila anda...
E entender certos momentos nem sempre é fácil...
Talvez nem devesse escrever aqui, mas escrevo para mim...
Não tenho pretensão, nem paciência para ficar por aí à cata de elogios, que nada dizem...
Sei quem sou! Sei o que quero da vida!
E isso pesa muito, quando à volta temos apenas ilusões e falsidades...
Continuarei até quando puder ...
Ou até a esperança ser a última palavra a ouvir...
Que venha Abril e seus dias de outono!
Que venha a chance de renascer das cinzas...


domingo, 27 de março de 2011

27 MARÇO - DIA DO CIRCO E DO ARTISTA CIRCENCE



Photobucket


Comemora-se o Dia do Circo em 27 de março,
numa homenagem ao palhaço brasileiro Piolim, Abelardo Pinto,
que nasceu nessa data, no ano de 1897,
na cidade de Ribeirão Preto, São Paulo.


Considerado por todos que o assistiram como um grande palhaço, se destacava pela enorme criatividade cômica e pela habilidade como ginasta e equilibrista. Seus contemporâneos diziam que ele era o pai de todos os que, de cara pintada e colarinho alto, sabiam fazer o povo rir. (Era magro feito um barbante e daí a origem do apelido).



Photobucket

Como surgiu o circo

É praticamente impossível determinar uma data específica de quando ou como as práticas circenses começaram. Mas pode-se apostar que elas se iniciaram na China, onde foram encontradas pinturas de 5 000 anos, com figuras de acrobatas, contorcionistas e equilibristas. Esses movimentos faziam parte dos exercícios de treinamento dos guerreiros e, aos poucos, a esses movimentos foram acrescentadas a graça e a harmonia.

Conta-se ainda que no ano 108 a.C aconteceu uma enorme celebração para dar as boas-vindas a estrangeiros recém-chegados em terras chinesas. Na festa, houve demonstrações geniais de acrobacias. A partir de então, o imperador ordenou que sempre se realizassem eventos dessa ordem. Uma vez ao ano, pelo menos.

Também no Egito, há registros de pinturas de malabaristas. Na Índia, o contorcionismo e o salto são parte integrante dos espetáculos sagrados. Na Grécia, a contorção era uma modalidade olímpica, enquanto os sátiros já faziam o povo rir, numa espécie de precursão aos palhaços.

No palco da história

Por volta do ano 70 a.C, surgiu o Circo Máximo de Roma, que um incêndio destruiu totalmente, causando grande comoção. Tempos depois, no ano 40 a.C, construíram no mesmo lugar o Coliseu, com capacidade para 87 mil pessoas. No local, havia apresentações de engolidores de fogo, gladiadores e espécies exóticas de animais.

Com a perseguição aos seguidores de Cristo, entre os anos 54 e 68 d.C, esses lugares passaram a ser usados para demonstrações de força: os cristãos eram lançados aos leões, para serem devorados diante do público.

Os artistas procuraram, então, as praças, feiras ou entradas de igrejas para apresentarem às pessoas seus malabarismos e mágicas.

Ainda na Europa do século XVIII, grupos de saltimbancos se exibiam na França, Espanha, Inglaterra, mostrando suas habilidades em simulações de combates e na equitação.

O circo moderno

A estrutura do circo como o conhecemos hoje teve sua origem em Londres, na Inglaterra. Trata-se do Astley's Amphitheatre, inaugurado em 1770, pelo oficial inglês da Cavalaria Britânica, Philip Astley.

O anfiteatro tinha um picadeiro com uma arquibancada próxima e sua atração principal era um espetáculo com cavalos. O oficial percebeu, no entanto, que só aquela atração de cunho militar não segurava o público e passou a incrementá-la com saltimbancos, equilibristas e palhaços.

O palhaço do lugar era um soldado, que entrava montado ao contrário e fazia mil peripécias. O sucesso foi tanto, que adaptaram novas situações.

Era o próprio oficial Astley quem apresentava o show, vindo daí a figura do mestre de cerimônias.

Quando o circo chegou ao Brasil

No Brasil, a história do circo está muito ligada à trajetória dos ciganos em nossa terra, uma vez que, na Europa do século dezoito, eles eram perseguidos. Aqui, andando de cidade em cidade e mais à vontade em suas tendas, aproveitavam as festas religiosas para exibirem sua destreza com os cavalos e seu talento ilusionista.
Procuravam adaptar suas apresentações ao gosto do público de cada localidade e o que não agradava era imediatamente tirado do programa.

Mas o circo com suas características itinerantes aparece no Brasil no final do século XIX. Instalando-se nas periferias das cidades, visava às classes populares e tinha no palhaço o seu principal personagem. Do sucesso dessa figura dependia, geralmente, o sucesso do circo.

O palhaço brasileiro, por sua vez, adquiriu características próprias. Ao contrário do europeu, que se comunicava mais pela mímica, o brasileiro era falante, malandro, conquistador e possuía dons musicais: cantava ou tocava instrumentos.

Circo contemporâneo

Circo contemporâneo é o que se aprende na escola. Fenômeno consequente das mudanças de valores na sociedade e suas novas necessidades. Grande parte dos profissionais do circo mandaram seus filhos para a universidade, fazendo com que as novas gerações da lona trabalhem mais na administração.

Em fins dos anos 70, começam a aparecer as primeiras escolas de circo, no mundo inteiro. Na França, a primeira a surgir foi a Escola Nacional de Circo Annie Fratellini, em 1979, com o apoio do governo francês.

No Canadá, artistas performáticos têm aulas com ginastas e, em 1981, é criada uma escola de circo para atender à necessidade desses novos acrobatas.

Interessante lembrarmos, no entanto, que essa importância que o circo assume no mundo capitalista já era cultivada na ex-URSS, desde a década de 20. Data de 1921 a criação de uma escola de circo na União Soviética, que coloca o circo no patamar de arte, com inovação dos temas e das formas de apresentação.
Escolas e grupos brasileiros

No Brasil, a primeira escola de circo foi criada em São Paulo, em 1977, com o nome de Piolin (que é também o nome de um grande palhaço brasileiro). Funcionava no estádio do Pacaembu.

No Rio de Janeiro, surge em 1982 a Escola Nacional de Circo, abrindo oportunidades para jovens de todas as classes e vindos de diferentes regiões do país. Eles aprendem as novas técnicas circenses e, uma vez formados, montam seus próprios grupos ou vão trabalhar no exterior.

São muitos os grupos espalhados pelo Brasil afora. Citamos a Intrépida Trupe, os Acrobáticos Fratelli e a Nau de Ícaros.


Nossos palhaços

Photobucket


Carequinha, "o palhaço mais conhecido do Brasil" - ele mesmo se intitulava assim - dizia que os melhores palhaços que ele conheceu na vida foram Piolim, Arrelia e Chicarrão. Essa notoriedade de George Savalla Gomes, seu verdadeiro nome, se deve muito à TV. Comandou programas de televisão, gravou vários discos, e soube tirar dessa mídia o melhor proveito. A TV, para ele, não acabou nem vai acabar nunca com o circo. Segundo Carequinha, o circo é imortal.

"Sou contra circo que tem animais. Não gosto. O circo comum, sem animais, agrada muito mais."
Carequinha
George Savalla Gomes nasceu em Rio Bonito, Rio de Janeiro, no dia 18 de julho de 1915. Faleceu em 05 de abril de 2006.


Photobucket


Denominado o "Rei dos Palhaços", o senhor Abelardo Pinto morreu em 1973 e era conhecido no meio circense e no Brasil como o palhaço Piolim. Como Carequinha, Piolim trabalhou em circo desde sempre. Admirado pela intelectualidade brasileira, participou ativamente de vários movimentos artísticos, entre eles, a Semana de Arte Moderna de 1922.

"O circo não tem futuro, mas nós, ligados a ele, temos que batalhar para essa instituição não perecer".
Frase dita por Piolim, pouco antes de morrer.



Fonte: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas - IBGE

Leia mais AQUI


O novo circo é um movimento recente que adiciona às técnicas de circo tradicionais a influência de outras linguagens artísticas como a dança e o teatro, levando em conta que a música sempre fez parte da tradição circense.


Photobucket


O Dia do Palhaço se comemora em 10 de dezembro.

sábado, 26 de março de 2011

27 MARÇO - DIA MUNDIAL DO TEATRO



Photobucket

No dia 27 de março, no Brasil e em todo o mundo, comemoramos o Dia Mundial do Teatro. Espetáculos teatrais, encontros e eventos celebram essa arte, ressaltando seu significado e sua importância.

O Dia Mundial do Teatro foi criado, em 1961, pelo Instituto Internacional de Teatro, ligado à Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO).

A primeira mensagem do Dia Mundial do Teatro foi escrita pelo escritor e dramaturgo francês Jean Cocteau, em 1962.


O que é teatro?

Uma criança brincando de faz-de-conta? Ou um ator conhecido fazendo o papel de Hamlet, na peça de mesmo nome do dramaturgo inglês William Shakespeare?

De uma forma ou de outra, o teatro é uma experiência marcante, humana e reveladora. O palco é o lugar onde nos reconhecemos. Não é por outro motivo que Shakespeare aconselhou seus atores a não perderem a simplicidade: "Pois tudo que é forçado deturpa o intuito da representação, cuja finalidade é exibir um espelho à natureza: mostrar à virtude sua própria expressão; ao ridículo sua própria imagem e a cada época e geração sua forma e efígie" (Hamlet, Ato 3, cena 2).


Photobucket



O teatro lida com emoções, colocadas num palco diante de nós. Chamamos de teatro as obras de arte criadas para serem representadas num palco por atores. Os atores emprestam o corpo e a voz para viver os personagens criados pelos autores. Os autores de teatro, por sua vez, são chamados de teatrólogos ou dramaturgos.



Grécia

Photobucket


O teatro nasceu na Grécia, há mais de 2.500 anos, e os primeiros gêneros de teatro são a tragédia e a comédia. A civilização grega produziu obras que têm valor permanente, fazem parte da nossa cultura e são representadas até hoje. Ésquilo, Sófocles e Eurípedes são considerados os maiores autores da tragédia grega. A famosa "Édipo rei", de Sófocles, é um belo exemplo de tragédia, em que um personagem luta contra seu próprio destino.


Photobucket


O mais conhecido autor de comédias da Antiguidade é Aristófanes. Dentre inúmeras outras peças sua "A revolução das mulheres" faz uma sátira aos costumes políticos e às diferenças entre os sexos.

Outro gênero teatral muito difundido é o drama, que nasceu no século 18, na França. O drama leva ao palco situações cotidianas e conflitos de pessoas comuns.


Teatro no Brasil


O Brasil conta com dramaturgos talentosos. No século 19, a comédia de costumes retratou com graça a sociedade brasileira da época, na obra de autores como Martins Pena e Artur Azevedo.

Nelson Rodrigues é considerado um dos maiores dramaturgos do século 20. Sua peça "Vestido de noiva", que estreou na década de 1940, é considerada um marco no teatro. Autores como Dias Gomes ou Jorge de Andrade também revelaram com precisão aspectos da realidade brasileira, dando valor universal aos conflitos de seus personagens.




Photobucket


Além do teatro ocidental, podemos pensar em outras formas de representação. Muitas culturas usam a dança ou outras formas de expressão relacionadas ao corpo. Outras culturas criaram linguagens específicas, como o teatro kabuki, no Japão, ou o teatro de sombras da China.


26 MARÇO - DIA DO CACAU




Dia 26 de março, é Dia do Cacau, a iguaria mais apreciada pelo mundo todo. Encarado como vilão o cacau também traz muitos benefícios à saúde. Pesquisas comprovam que além de ser estimulante, ele também pode auxiliar a redução de doenças cardiovasculares.

O cacau foi primeiramente utilizado como bebida que, de acordo com escritas maias datadas de 600 a.C., era produzida com as sementes esmagadas e temperadas com pimentas, depois cozidas e acrescidas de baunilha, urucum, pimentão, milho verde, cogumelos alucinógenos, frutas e, às vezes, mel. Quando os primeiros colonizadores chegaram à América, precisamente ao México, se depararam com uma civilização que acreditava que o cacau era sagrado. Os Astecas cultivavam o fruto com grandiosas cerimônias religiosas, talvez essa a razão do termo “manjar dos deuses” para designá-lo.

No Brasil, o cacau passou a ser cultivado oficialmente em 1679. Para os povos pré-colombianos do passado, o fruto era considerado um presente do deus asteca Quetzalcóatl, responsável por repor a energia das pessoas.


Photobucket

Pelo fato da semente do cacau conter um alto grau de gordura e água, o processo de secagem dura em média oito dias ao sol. Já com as sementes secas, a próxima etapa é a torrefação, responsável pela consistência do sabor, cor e aroma. Após isso as sementes são trituradas, originando a manteiga de cacau ou, se adicionado o açúcar, o chocolate em pó. Para confeccionar os tipos de chocolate é realizada uma mistura com ingredientes específicos como, por exemplo, o leite em pó, que dá origem ao chocolate ao leite. Realizada a mistura, o processo é finalizado através de moldagem e resfriamento.



Photobucket


PS: use com moderação... risos

26 MARÇO - A HORA DO PLANETA 2011



Photobucket



O que é

A Hora do Planeta é um ato simbólico, promovido no mundo todo pela Rede WWF, no qual governos, empresas e a população demonstram a sua preocupação com o aquecimento global, apagando as suas luzes durante sessenta minutos.


Quando?

Sábado, dia 26 de março, das 20h30 às 21h30. Apague as luzes para ver um mundo melhor. Hora do Planeta 2011.


Onde?

No mundo todo e na sua cidade, empresa, casa... Em 2010, mais de um bilhão de pessoas em 4616 cidades, em 128 países, apagaram as luzes durante a Hora do Planeta. Em 2011, a mobilização será ainda maior.



Vídeo Oficial da Hora do Planeta 2011





Fonte: http://www.horadoplaneta.org.br/



Participe você também!

O Planeta agradece!





Minuto de silêncio – Neste ano de 2011, o primeiro minuto da Hora do Planeta será dedicado, em silêncio, às vítimas de recentes tragédias de fenômenos naturais como o terremoto e tsunami no Japão, que vitimaram mais de 10 mil pessoas, e também às vítimas das enchentes no Brasil nestes primeiros meses do ano. Os brasileiros, em todas as cidades, são convidados a guardar um minuto de silêncio em memória das vítimas de tragédias ambientais.


Photobucket

quarta-feira, 23 de março de 2011

23 MARÇO - DIA MUNDIAL DA METEOROLOGIA



A Organização Meteorológica Internacional (OMI), foi fundada em 1873, em Viena, na Áustria, durante a realização do 1º Congresso Internacional de Meteorologia.

A data de 23 de março foi escolhida como o Dia Mundial da Meteorologia por ser a data de fundação da Organização Mundial de Meteorologia (WMO) da ONU, em 23 de março de 1950.

A Organização, que tem sede em Genebra, na Suíça, trabalha como facilitadora mundial, estabelecendo por exemplo as bases das contribuições da Meteorologia para a conservação dos recursos hídricos do planeta, para a identificação das causas e para o combate à desertificação, nas causas das mudanças climáticas, no manejo das reservas hídricas das megacidades e regiões agrícolas, alguns dos principais problemas que estão afetando a vida do planeta.



A meteorologia tem história


O termo surgiu quando o filósofo grego Aristóteles, em torno de 340 a.C., à sua maneira filosófica e especulativa, escreveu um livro sobre filosofia natural denominado Meteorológica, falando sobre o tempo, o clima, sobre astronomia, geografia e química. Falava de nuvens, chuva, neve, vento, granizo, trovões e furacões. Naqueles dias, tudo o que caia do céu e qualquer coisa vista no ar era chamada de meteoro, daí o nome meteorologia.

As idéias de Aristóteles se mantiveram aceitas por quase dois mil anos. De fato, o nascimento da meteorologia como uma ciência natural genuína não aconteceu até a invenção dos instrumentos meteorológicos (os termômetros, no fim do século XIV, o barômetro, para medir pressão atmosférica, em 1643, e o higrômetro, para medidas de umidade, no final do século XVIII).

A invenção do telégrafo, em 1843, permitiu a transmissão das observações rotineiras do tempo.

Depois, cartas sinóticas simples ("cartas de tempo") foram traçadas.

Em torno de 1920, os conceitos de massa de ar e frentes foram formulados na Noruega.

Na década de 40, as observações diárias de temperatura, umidade e pressão, feitas com radiossondas (balões de ar superior), deram uma visão tridimensional da atmosfera.

Com os computadores, na década de 50, a Meteorologia deu outro salto, e passou a resolver equações que descrevem o comportamento da atmosfera. Em 1960, o Tiros I, o primeiro satélite meteorológico lançado, colocou a Meteorologia na era espacial.

Os satélites estão capacitados a suprir os computadores com uma série de dados sobre todo o globo com previsões cada vez mais confiáveis







A chuva, as nuvens, o vento, as condições da atmosfera em geral e suas mudanças cotidianas são conhecidas globalmente como tempo atmosférico. Os fenômenos meteorológicos, causados por fatores internos ao sistema terrestre e fatores astronômicos externos, determinam as variações no tempo e no clima. A meteorologia é, portanto, a ciência que registra essas variações e procura prever o tempo.




Atualmente, a meteorologia ocupa um lugar de destaque nas atividades humanas. A capacidade de prever os fenômenos meteorológicos intensos - tais como terremotos, furacões, erupções vulcânicas, chuvas intensas, períodos de secas e de temperaturas extremas - determina o sucesso ou o fracasso de muitas das ações humanas.
A investigação de todos esses fenômenos atmosféricos é feita pelos observatórios meteorológicos, que são instalados em locais isolados, longe de edifícios e de árvores que possam influir na exatidão das medições. As observações devem ser precisas, e a utilização de unidades - padrão é necessária para que sejam comparadas com as medições feitas em outros lugares.
Quase todas as observações são realizadas na superfície do solo, mas podem ser montados instrumentos de observações em balões, que se elevam na atmosfera e transmitem as leituras da Terra pelas ondas de rádio.
Os observatórios meteorológicos terrestres, instalados em barcos ou aviões, coletam várias vezes ao dia, milhões de dados sobre o tempo, os quais são introduzidos em uma rede de comunicações gigantesca chamada Sistema Planetário de Telecomunicações.
A informação é enviada ao mundo todo por satélite, rádio e cabo.
Dessa maneira, os meteorologistas obtêm desse sistema os dados necessários para realizar as previsões locais. A informação é fornecida primeiro em um gráfico numérico, que mostra a situação global do tempo.
As previsões são realizadas quando os meteorologistas utilizam seus conhecimentos sobre o comportamento da atmosfera, com a ajuda de computadores que demonstram o que ocorreu na última vez que se anunciaram condições semelhantes.
Os institutos de meteorologia têm uma grande e longa tradição para salvaguardar as populações.

Mais recentemente, em conseqüência das recomendações da Agenda 21 da Conferência Mundial das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, a Eco-92, novos desafios foram suscitados num adequado apoio às atividades socioeconômicas mundiais. A missão dos institutos de meteorologia é servir aos interesses dos cidadãos mediante o fornecimento de avisos e informações para salvaguardar vidas e bens, reduzir os impactos dos desastres naturais, proteger a qualidade do meio ambiente e atuar junto à defesa nacional dos países.



Fontes: IBGE - Edições Paulinas - Climatempo


terça-feira, 22 de março de 2011

22 MARÇO - DIA MUNDIAL DA ÁGUA



Photobucket


A cada ano, a Organização das Nações Unidas (ONU) abre novas discussões sobre a água, com o objetivo de garantir a preservação da mesma no planeta.
Essa reunião acontece no dia 22 de março, desde 1992, motivo pelo qual foi instituído como o dia mundial da água. Desses encontros surgiu a Declaração Universal dos Direitos da Água, a fim de mostrar ao mundo sua importância e a necessidade em ser preservada, para que não acabe a vida no planeta.

Mas porque a ONU se preocupou com a água se sabemos que dois terços do planeta Terra é formado por este precioso líquido? A razão é que pouca quantidade, cerca de 0,008 %, do total da água do nosso planeta é potável (própria para o consumo). E como sabemos, grande parte das fontes desta água (rios, lagos e represas) esta sendo contaminada, poluída e degradada pela ação predatória do homem. Esta situação é preocupante, pois poderá faltar, num futuro próximo, água para o consumo de grande parte da população mundial. Pensando nisso, foi instituído o Dia Mundial da Água, cujo objetivo principal é criar um momento de reflexão, análise, conscientização e elaboração de medidas práticas para resolver tal problema.

No dia 22 de março de 1992, a ONU também divulgou um importante documento: a “Declaração Universal dos Direitos da Água” (leia abaixo). Este texto apresenta uma série de medidas, sugestões e informações que servem para despertar a consciência ecológica da população e dos governantes para a questão da água.

Mas como devemos comemorar esta importante data? Não só neste dia, mas também nos outros 364 dias do ano, precisamos tomar atitudes em nosso dia-a-dia que colaborem para a preservação e economia deste bem natural. Sugestões não faltam: não jogar lixo nos rios e lagos; economizar água nas atividades cotidianas (banho, escovação de dentes, lavagem de louças etc); reutilizar a água em diversas situações; respeitar as regiões de mananciais e divulgar idéias ecológicas para amigos, parentes e outras pessoas.



Clique na imagem para ampliar



Declaração Universal dos Direitos da Água

Art. 1º - A água faz parte do patrimônio do planeta.Cada continente, cada povo, cada nação, cada região, cada cidade, cada cidadão é plenamente responsável aos olhos de todos.

Art. 2º - A água é a seiva do nosso planeta.Ela é a condição essencial de vida de todo ser vegetal, animal ou humano. Sem ela não poderíamos conceber como são a atmosfera, o clima, a vegetação, a cultura ou a agricultura. O direito à água é um dos direitos fundamentais do ser humano: o direito à vida, tal qual é estipulado do Art. 3 º da Declaração dos Direitos do Homem.

Art. 3º - Os recursos naturais de transformação da água em água potável são lentos, frágeis e muito limitados. Assim sendo, a água deve ser manipulada com racionalidade, precaução e parcimônia.

Art. 4º - O equilíbrio e o futuro do nosso planeta dependem da preservação da água e de seus ciclos. Estes devem permanecer intactos e funcionando normalmente para garantir a continuidade da vida sobre a Terra. Este equilíbrio depende, em particular, da preservação dos mares e oceanos, por onde os ciclos começam.

Art. 5º - A água não é somente uma herança dos nossos predecessores; ela é, sobretudo, um empréstimo aos nossos sucessores. Sua proteção constitui uma necessidade vital, assim como uma obrigação moral do homem para com as gerações presentes e futuras.

Art. 6º - A água não é uma doação gratuita da natureza; ela tem um valor econômico: precisa-se saber que ela é, algumas vezes, rara e dispendiosa e que pode muito bem escassear em qualquer região do mundo.

Art. 7º - A água não deve ser desperdiçada, nem poluída, nem envenenada. De maneira geral, sua utilização deve ser feita com consciência e discernimento para que não se chegue a uma situação de esgotamento ou de deterioração da qualidade das reservas atualmente disponíveis.

Art. 8º - A utilização da água implica no respeito à lei. Sua proteção constitui uma obrigação jurídica para todo homem ou grupo social que a utiliza. Esta questão não deve ser ignorada nem pelo homem nem pelo Estado.

Art. 9º - A gestão da água impõe um equilíbrio entre os imperativos de sua proteção e as necessidades de ordem econômica, sanitária e social.

Art. 10º - O planejamento da gestão da água deve levar em conta a solidariedade e o consenso em razão de sua distribuição desigual sobre a Terra.




Photobucket



ÁGUA, FONTE DA VIDA


Autor: © Antonio Marcos Pires



Ouça a mensagem AQUI,

na voz de Duda Espinoza - Radialista e Dublador



A água é fundamental à vida animal ou vegetal....

Ela é a fonte geradora de luz.

Lava a nossa alma, sustenta o planeta.....

água doce, salgada, gelada, potável, que corre nos rios,

vem do riacho, das fontes que nos sustentam e banham o mundo.

Natural! Vital! Preciosa! Riqueza real!

Água dos oceanos, cascatas, cachoeiras, embelezando florestas....refrescando e dando vida ao planeta....

Cristalinas, verdadeiras bênçãos de Deus, líquido refrescante.

Regamos plantas, fazemos comida, matamos nossa sede, tomamos banho...

Preciosidade do nosso dia a dia.

Bem delicioso e precioso a todas as atividades do homem!

A água deve ser utilizada com responsabilidade!

Use-a com consciência! Preserve o maior patrimônio do planeta.

Sem água não existe vida. Não existiria o nosso planeta.

Sem ela, não existiríamos!

Bem fundamental!

Riqueza universal!

O futuro de nosso planeta depende da preservação da água,

Não vamos poluir, nem desperdiçar e nem envenenar a maior fonte da vida!



© Antônio Marcos Pires / RJ


Mensagens no Ar

Editora Santuário




domingo, 20 de março de 2011

21 MARÇO - DIA MUNDIAL DA POESIA - WORLD POETRY DAY



Photobucket



O Dia Mundial da Poesia celebra-se a 21 de março. Foi criado na XXX Conferência Geral da UNESCO, em 16 de Novembro de 1999. E determinou a cada escritório regional que as comemorações sejam em escala nacional e internacional.

O propósito deste dia é promover a leitura, escrita, publicação e ensino da poesia através do mundo.

As atividades comemorativas devem ser organizadas por sociedades de poesia ou de escritores e poetas, jornais, periódicos especializados em cultura, literatura e artes, editoras que tenham coleções de poesia, teatros e casas de shows, especialmente em transmissões de rádio e TV, escolas e instituições preocupadas com a cultura.

Entre os objetivos da iniciativa da UNESCO está o incentivo e reconhecimento da poesia regional, nacional e internacional, e desencadear processos que devem servir para apoiar a diversidade linguística e cultural, utilizando a expressão poética, e oferecer a línguas ameaçadas de extinção a oportunidade de serem ouvidas na comunidade internacional.

World Poetry Day is on 21 March, and was declared by UNESCO (United Nations Educational, Scientific and Cultural Organization) in 1999. The purpose of the day is to promote the reading, writing, publishing and teaching of poetry throughout the world and, as the UNESCO session declaring the day says, to “give fresh recognition and impetus to national, regional and international poetry movements.”



Photobucket


Palavras da UNESCO

Ms Irina Bokova, Diretora-Geral da UNESCO, declarou por ocasião da abertura das comemorações do World Poetry Day 2010:


“Sobre o Dia Mundial da Poesia 2010, lembremos que a poesia é um território universal em que os povos podem se conhecer através de palavras de todas as cores, ritmos e musicalidade. Palavras que, independentemente do idioma em que foram criadas, vão longe em busca de uma luz que capta a perfeita essência do ser humano, a dignidade de cada pessoa.”



Fonte: Portal UNESCO




Photobucket



Homenagem aos poetas, poetisas de ontem, hoje e sempre!

Homenagem especial ao meu amor poeta,
que me faz sonhar todos os dias!



Feliz Dia Mundial da Poesia!


sábado, 19 de março de 2011

OUTONO 2011 - INÍCIO 20 MARÇO - HEMISFÉRIO SUL



Photobucket












O outono de 2011 terá início durante o equinócio de 20 de março (domingo, às 20:21 horas), com duração de 92 dias, 17 horas e 55 minutos.


O que significa o "equinócio"?

Equinócio é uma palavra derivada do latim (aequinoctium), e significa “noite igual”, e refere-se ao momento do ano em que a duração do dia é igual à da noite sobre toda a terra.


Photobucket

Clique na imagem para ampliar



Isto ocorre quando a terra atinge uma posição em sua órbita onde o sol parece estar situado exatamente na intersecção do círculo do Equador Celeste com o círculo da Eclíptica; ou seja, instante em que o sol, no seu movimento anual aparente pela Eclíptica, corta o Equador Celeste, apresentando declinação de 0º.

Os equinócios ocorrem nos meses de março e setembro e definem as mudanças de estação.

No hemisfério norte a primavera inicia em março e o outono em setembro.

No hemisfério sul é o contrário, a primavera inicia em setembro e o outono em março.




Photobucket


Quando começa o outono no Brasil, normalmente ainda está um pouco quente, e aos poucos, com o passar dos dias as temperaturas começam a cair na maioria dos estados do país, e as folhas das árvores começam a amarelar, e de algumas espécies até caem.


Início e término do Outono no Brasil em:


2011 – início em 20/03 e término em 21/06
2012 – início em 20/03 e término em 20/06


Em alguns países que são privilegiados de terem, de fato, o outono bem característico, podem visualizar uma época de muita beleza e encantamento. Trata-se da estação em que as folhas ficam amareladas e caem das árvores.
O Outono é a estação que sucede o verão e antecipa o inverno, portanto é caracterizado pela queda de temperatura, não como o inverno, mas é praticamente uma prévia do que vamos sentir.

Aqui no Brasil não temos muita sorte de ter realmente o outono. Passamos sim por sua época, mas as imagens que vemos como é o outono na Europa ou na América do Norte, podemos perceber que não se trata do mesmo que temos aqui no Brasil. Lá, você pode ter uma paisagem incrível por todos os dias.


Photobucket



Feliz Outono!



Photobucket


20 MARÇO - DIA DO BLOGUEIRO


Photobucket




Existem datas que acabam se tornando "obrigatórias" e vamos aderindo sem saber sua origem...
Esta é uma delas e o Datas a Comemorar também participa na homenagem aos blogueiros.

Fiz várias pesquisas e nada encontrei, a não ser referência que está no Wikipedia, como Dia do Blog:


"O Dia do Blog foi estabelecido de forma informal para o dia 31 de Agosto. É o dia internacional do Weblog, Blogue ou simplesmente Blog.

Esta data foi escolhida porque seus números 31/08 se assemelham com a palavra Blog.

Foi estabelecido que durante esse dia, blogueiros de todo o mundo deverão colocar uma mensagem aos seus leitores, apontando para outros blogs que considerem interessantes. Assim seus leitores poderão descobrir novos blogs para serem lidos, divulgado os blogs pela internet".


Se algum leitor souber a origem do Dia do Blogueiro, por favor, deixe um comentário. Será bem vindo!




Photobucket



Que a data traga alegria e muita amizade
a toda comunidade blogueira!




19 MARÇO - DIA DE SÃO JOSÉ

Ele rompeu com os
paradigmas enraizados da
cultura de sua época



Em um mundo onde muitos fazem de tudo para “crescer e aparecer” a qualquer custo – muitas vezes utilizando o outro como escada para isso –, raras são as pessoas que na vida fazem a opção pelas pequenas coisas.

Em um sistema de crenças e valores no qual, muitas vezes, o mais valorizado é o que mais aparece e o que mais ostenta uma posição de destaque, o universo da discrição e da simplicidade acaba ficando em segundo plano (para não dizer em último). Estamos, sem dúvida alguma, na era da imagem e no império da aparência, nos quais o que acaba se destacando é a ilusão e não o ser em sua essência.

Em meio a esse complexo contexto, uma figura, como a de São José, manifesta-se como um concreto ícone de contradição, instaurando naquele que sensivelmente o contempla uma aguda crise de contestação de seus valores. E isso é muito bom. Não somos árvores imóveis e passíveis – sendo que mesmo na natureza a vida é dinâmica – diante de nossa realidade e das crenças que nos são impostas pela sociedade. Por isso questionar – tentando sinceramente compreender o melhor caminho – é sempre uma atitude virtuosa, que rompe paradigmas e aponta um novo caminho.

São José, com sua justiça silenciosa e discreta, foi alguém que soube romper com os paradigmas (modelo que era seguido) da mentalidade da sua época, desafiando crenças já cristalizadas que semeavam o preconceito e a subtração do ser humano.

Vivendo as pequenas coisas de seu cotidiano de carpinteiro, com a coragem de realizar escolhas virtuosas não vistas por ninguém, ele teve a ousadia de ser autêntico – de ser ele mesmo, sem copiar antigos modelos – seguindo a novidade da inspiração dada por Deus. Ao encontrar Maria, grávida, “sem antes terem coabitado”, “sendo justo e não a querendo difamar, resolveu deixá-la secretamente” (cf. Mt 1, 18-19), enquanto a lei vigente em sua época ordenava a lapidação (morte por pedradas) para as mulheres adúlteras. E ao ter sido avisado em sonho por um anjo, foi dócil ao que Deus lhe pedira assumindo Maria como esposa, juntamente com o que “nela foi gerado” (cf. Mt 1, 20).

Enfim, José, em sua humildade e sem muitos holofotes, rompeu com um profundo paradigma enraizado em sua cultura havia muito séculos, no qual a justiça se sobrepunha à misericórdia.

Mas ele não é chamado o justo? Por que não agiu seguindo o padrão de justiça de sua época? Sim. Ele foi justo, mas o tamanho de sua justiça se manifestou na intensidade de sua misericórdia, pois, conseguiu ir além do julgamento, dando mais valor ao ser do que ao aparecer.

Por ser fruto daquela época e cultura, ele poderia muito bem ter pensado: “O que irão falar de mim? Como as pessoas me verão quando descobrirem que não desposei minha esposa?”. Mas ele foi além. Para ele o amor se expressava no bem que luta para que o outro seja mais, para que este seja feliz, mesmo quando ninguém o vê nem percebe e mesmo correndo o risco de ser mal-interpretado.

Quem ama não se importa com o que vão pensar ou falar, nem se torna “vaquinha de presépio”, escravizando-se por convenções culturais acerca do que deve ser feito. Quem ama – sem desrespeitar o que existe de bom na tradição – tem a coragem de superar o convencional para fazer o bem e promover a pessoa.

José não buscou os elogios dos observantes da lei nem o prestígio de ser “visto” por todos como cumpridor da justiça; diferentemente, ele buscou antes e acima de tudo estar em paz com a sua consciência, buscando em tudo ouvir e obedecer a Deus.

Ele – como muitos outros santos em nossa história – nos ensina que não é preciso muito barulho e alarde para realizarmos grandes mudanças e intensas revoluções e que o amor/obediência e a humildade são armas poderosas, capazes de questionar conceitos vigentes em toda uma sociedade.

Olhando para São José, percebo – como antes já cria – que é preciso não ter medo de romper com convenções sociais e agir de maneira nova; é claro, em tudo fazendo o bem e obedecendo a Deus.

Com certeza, se o fato se tornasse público o pai adotivo de Jesus receberia muitas críticas, como os que ousam pensar diferente recebem-nas: “Por que você vive, pensa, escreve e age diferente? Está errado, tem de ser do jeito que todo mundo faz...”. Contemplando a justiça silenciosa e transformadora desse grande homem de Deus pergunto: Será que temos mesmo de agir como todos?

O carpinteiro foi santo o bastante para transcender aos olhares que o acusariam, fixando o olhar apenas onde o Amor tem sua morada.

Que o exemplo do grande e amado pai de nosso Salvador suscite em nós a coragem de sermos melhores, pois ele estava voltado em tudo para o Cristo sem se aprisionar a estruturas que escravizam o ser.






Fonte:
Adriano Zondaná - http://www.cancaonova.com.br




Leia mais sobre São José no excelente blog da amiga Felipa, Uma certa Luz e Aqui





Nesta data também se comemora o Dia do Carpinteiro e o Dia do Marceneiro.



domingo, 13 de março de 2011

14 MARÇO - DIA NACIONAL DA POESIA





Castro Alves foi um dos maiores poetas brasileiros, tendo marcado sua carreira como homem de honra, que lutou por causas nobres, como defensor da República e da Abolição da Escravidão.
Em sua homenagem foi criado o Dia da Poesia, na data de seu nascimento, 14 de março.

Antônio de Castro Alves nasceu a 14 de março de 1847 na comarca de Cachoeira, na Bahia, e faleceu a 6 de julho de 1871, aos vinte e quatro anos, em Salvador, no mesmo estado brasileiro.
Fez o curso primário no Ginásio Baiano. Em 1862 ingressou na Faculdade de Direito de Recife.

Datam desse tempo os seus amores com a atriz portuguesa Eugênia Câmara e a composição dos primeiros poemas abolicionistas: Os Escravos e A Cachoeira de Paulo Afonso, declamando-os em comícios cívicos.
Em 1867 deixa Recife, indo para a Bahia, onde faz representar seu drama Gonzaga. Segue depois para o Rio de Janeiro, recebendo aí incentivos promissores de José de Alencar, Francisco Otaviano e Machado de Assis.
Em São Paulo, encontra nas Arcadas a mais brilhante das gerações, na qual se contavam Rui Barbosa, Joaquim Nabuco, Rodrigues Alves, Afonso Pena, Bias Fortes e tantos outros. Vive, então, os seus dias de maior glória.
A 11 de novembro de 1868, em caçada nos arredores de São Paulo, feriu o calcanhar esquerdo com um tiro de espingarda, resultando-lhe a amputação do pé. Sobreveio, em seguida, a tuberculose, sendo obrigado a voltar à Bahia, onde veio a falecer.


Castro Alves pertenceu à Terceira Geração da Poesia Romântica (Social ou Condoreira), caracterizada pelos ideais abolicionistas e republicanos, sendo considerado a maior expressão da época.

Sobre o grande poeta, Ronald de Carvalho diz:

"- mais perto andou da alma nacional e o que mais tem influído em nossa poesia, ainda que, por todos os modos, tentem disfarçar essa influência, na verdade sensível e profunda".

Sua carreira foi premiada com a cadeira número sete da Academia Brasileira de Letras.

Conhecido como poeta dos escravos, Castro Alves escreveu o famoso poema “Navio Negreiro”, onde relatava sobre as condições de sofrimento durante o transporte dos escravos, além de detalhes de suas vidas, manifestando sua opinião contra esses atos de maus tratos e abusos.


Suas obras:

Gonzaga ou A Revolução de Minas
Os Escravos
Hinos do Equador
A Cachoeira de Paulo Afonso
Espumas Flutuantes
Vozes D'África









O que é a poesia

A poesia é uma obra literária que expressa sentimentos, sensações e impressões, através de palavras ritmadas, musicadas, combinadas de forma harmônica, formando os versos.
Antigamente as poesias tinham que apresentar a métrica e as rimas. Hoje, com a modernidade, perderam essa característica, não precisando obedecer às regras da língua.

Tipos de poesia

A poesia se divide em três tipos: a lírica, a dramática e a épica.
Nas poesias líricas os poetas descrevem seus sentimentos e suas experiências de vida; as dramáticas aparecem em peças teatrais, como diálogos ou monólogos; e a épica é a que retrata fatos históricos de heróis.


No Brasil, uma das formas de poesia mais presentes na cultura popular é o repente (literatura de cordel), encontrado na região nordeste do país. A declamação é feita de forma improvisada, onde dois cantores se desafiam através das palavras, provocando situações para o outro responder.
O mais famoso repentista do país foi o cearense Patativa do Assaré, Antônio Alves da Silva, que cantava em seus versos o sofrimento do povo nordestino. Suas obras podem ser encontradas nos livretos de cordel.


* Pelo dia da Poesia
As Poéticas Palavras de Carlos Drumond de Andrade*
Excerto do Poema:

Procura da poesia

*
"Penetra surdamente no reino das palavras.
Lá estão os poemas que esperam ser escritos.
Estão paralisados, mas não há desespero,
há calma e frescura na superfície intacta.
Ei-los sós e mudos, em estado de dicionário.
Convive com teus poemas, antes de escrevê-los.
Tem paciência se obscuros.
Calma, se te provocam...
não forces o poema a se desprender do limbo.
Não colhas no chão o poema que se perdeu...
Não adules o poema.
Aceita-o
como ele aceitará sua forma definitiva
e concentrada no espaço..."


© Carlos Drummond de Andrade













Comemoramos também o Dia Mundial da Poesia a 21 de março.



14 MARÇO - DIA DO VENDEDOR DE LIVROS


14 Março é o Dia do Vendedor de Livros


Após a comemoração do Dia do Bibliotecário, é hora de comemorar o dia de alguém não menos importante para a disseminação do livro - o Vendedor de Livros.

O livro é um portal mágico que oferece prazer, conhecimento e entretenimento. Não temos dúvida sobre a importância das histórias na formação de uma criança, a literatura infantil é o início da formação do leitor. O interesse pela leitura deve surgir cedo, quando a criança ainda não sabe decifrar o código, mas lê com sua interpretação de mundo, ouvindo a história que lhe contam, imagina e vivencia a mesma.

Quem não se lembra do vendedor de livros que trazia até sua casa os lançamentos de enciclopédias, dicionários, literatura variada? Em suas malas saiam belos exemplares de sonhos, que enchiam os olhos de adultos e crianças!




Ao contrário da agilidade oferecida atualmente pelos cartões de crédito durante a compra, os vendedores de livros vendiam por meio de promissórias. Além disso, o showroom era feito através da exposição de catálogos e alguns exemplares. “A primeira promissória, além de garantir a compra do produto, também permitia a retirada de uma parte da comissão”.
O vendedor de livros foi trocado pela internet que permite através de leituras resumidas a praticidade da obtenção da busca pela informação.


Uma homenagem a todos os inesquecíveis vendedores de livros!







Related Posts with Thumbnails