POSTAGENS RECENTES

segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

DIA 01 FEVEREIRO - DIA DO PUBLICITÁRIO






Photobucket

No dia 01 fevereiro é comemorado
o Dia do Publicitário.
Profissional capaz de transformar
"boas ideias"
em
paixões, sensações e desejos...




Profissional da área de comunicação, o publicitário atua no planejamento, coordenação e desenvolvimento de campanhas publicitárias para divulgar produtos, serviços, empresas ou pessoas. A carreira de publicidade é associada à criatividade, a comerciais milionários, ao glamour e a muito dinheiro.


O objetivo de uma campanha publicitária é obter lucro para o anunciante, para aumentar as vendas do produto anunciado. É preciso, pois, criar uma imagem do produto e divulgá-la, de modo a despertar o interesse do consumidor, ou seja, fazê-lo desejar o produto. O publicitário conhece as técnicas necessárias para que esse processo tenha êxito e supere a concorrência de outros produtos.






Até 1965, a profissão de publicitário era exercida pelos jornalistas, os quais, por terem conhecimento e prática na divulgação de mensagens dirigidas às massas, eram os mais requisitados pelos anunciantes para trabalharem a imagem de seus produtos. Em 18/06/1965, foi promulgada a lei nº 4680, que regulamentou a profissão, em razão de terem surgido cursos superiores na área da Comunicação Social, com especialização em publicidade e duração de quatro anos. Dessa forma, hoje, o publicitário possui ampla formação na área de ciências humanas - psicologia, sociologia e antropologia - e em matérias específicas como redação publicitária, linguagem publicitária e criação, que complementam os conhecimentos necessários para lidar com o público-alvo de seus futuros clientes.


Para fiscalizar o exercício da profissão, foi criado em 1980, o Conselho Nacional de Auto-Regulamentação Publicitária (CONAR), Organização Não-Governamental (ONG) que zela pela ética no meio publicitário, impedindo "que a publicidade enganosa ou abusiva cause constrangimento ao consumidor ou a empresas". Qualquer consumidor que se sinta lesado por alguma publicidade pode contatar o CONAR, que, mediante um Conselho formado pelos conselheiros da organização, irá analisar a denúncia e ordenar, caso seja pertinente, a retirada do anúncio ou a modificação de seu conteúdo, "com total e plena garantia de direito de defesa aos responsáveis pelo anúncio".


O campo de atuação do publicitário são as agências de publicidade e propaganda ou as empresas.

Nas agências, ele pode se especializar em diversas áreas.

Na área do atendimento, faz contato com o cliente e leva as instruções deste para a agência executar o trabalho.

Na área da criação, desenvolve o anúncio propriamente dito.

Pode também optar pela redação publicitária ou pela direção de arte, ou por outras áreas, como a do planejamento, em que avalia pesquisas de mercado e determina a melhor forma de comunicação para o cliente.

Na área de mídia, ele determina em quais meios (TV, rádio, cinema, impressos ou internet) e em que periodicidade o anúncio deve ser veiculado.



Photobucket







31 JANEIRO - DIA DO MÁGICO





Photobucket


No dia 31 de janeiro é comemorado o
Dia do Mágico,

este artista que faz muito mais do que
tirar coelhos da cartola

ou fazer desaparecer um lenço.



A magia sempre esteve presente na história da humanidade. O homem pré-histórico desenhava animais nas cavernas, como se assim os pudesse materializar. A isso os pesquisadores chamam de realismo mágico.

A data é em homenagem a São João Bosco, padroeiro dos mágicos, que, segundo a tradição, era também um mágico. Quando era jovem, o religioso ajudava nas despesas da família trabalhando como acrobata, malabarista e mágico. Após as apresentações, ele repetia a homilia que havia escutado na igreja pela manhã e convidava os presentes a rezar o terço.
Dom Bosco morreu em 31 de janeiro de 1888 na cidade de Turim, na Itália, e foi canonizado em 1934 pelo papa Pio XI.

A mágica é o segundo maior hobby do mundo; só perde para a filatelia. No entanto, é mais do que um hobby, é uma profissão.

A definição de "mágico" pode ser: "aquele que pratica a magia", mas entende-se por magia "a tentativa de controlar a natureza por meio de feitiços e encantamentos"; assim, a palavra "mágico" não se encaixa muito bem nessa profissão. Na verdade, o mágico é um ator. Ele não faz feitiços nem encantamentos, ele usa de artifícios e engana os olhos das pessoas, para que seus truques pareçam, de fato, uma magia, embora sejam uma ilusão.

Ao longo do tempo, o conceito de magia foi evoluindo. A arte de iludir, que já foi chamada de escapismo, é usada hoje, basicamente, como entretenimento. Ela cria ilusões que surpreendem, sobretudo porque o mágico faz algo que escapa à lógica comum, como se tivesse poderes sobrenaturais.

Quem popularizou esta arte foi Harry Houdini , o mais famoso mágico de todos os tempos. No início do século XX passou a viajar pelo mundo apresentando seus truques para plateias cada vez maiores.



No final do século, foi a vez dos mágicos da televisão. David Copperfield inaugurou a era do ilusionismo televiso exibindo truques em programas de auditório e trazendo novo fôlego à arte mágica. Posteriormente, surgiriam mágicos performáticos como David Blane, ou polêmicos como Mister M, que causou polêmica ao revelar o segredo de vários truques famosos.

É preciso muito treinamento para que os truques do mágico convençam os espectadores, por isso ele precisa ter muita habilidade com as mãos e praticar durante meses, para que a apresentação seja perfeita e manter viva a criança que existe dentro de cada um de seus espectadores, pois sabem que essa é a verdadeira magia.


Os mágicos profissionais enfrentam um grave problema: sua profissão não é regulamentada. Por isso, eles precisam lutar para conseguir trabalho, respeito e direitos.





domingo, 30 de janeiro de 2011

30 JANEIRO - DIA NACIONAL DAS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS




Photobucket


Photobucket

No dia 30 de janeiro se comemora

o Dia Nacional das Histórias em Quadrinhos.



Quem não se lembra dos momentos encantadores a ler uma revistinha em quadrinhos, o famoso gibi?

Mundo da imaginação, fantasia, sonhos que se misturavam à realidade!...

E assim gerações vem criando o hábito da leitura.

Uma data para relembrar os geniais autores desse universo em quadrinhos!

As primeiras histórias em quadrinhos datam da Pré-História, visto que os homens das cavernas já pintavam nas paredes o que lhes acontecia. E graças às buscas eternas do homem que se dedica a estudar, explorar e desvendar os feitos dos primórdios, temos tomado conhecimento dessa forma de expressão, um legado para a humanidade.

No início do século XX, contudo, foi definido o conceito de histórias em quadrinhos, e sua técnica começou a ser desenvolvida.

Há vários precursores das histórias em quadrinhos, destacando-se o brasileiro Angelo Agostini, embora haja quem diga que a primeira criação surgiu com Richard Fenton Outcault, em The Yellow Kid, de 1863. Foi Outcault quem introduziu o "balão", no qual são escritas as falas dos personagens.


Photobucket


Nas primeiras fases das histórias em quadrinhos, os argumentos eram apresentadas aventuras de crianças e bichinhos, com muito humor.


Em 1929, as histórias em quadrinhos ganharam muita popularidade; na década de 1930, o gênero "aventura" foi incorporado às histórias. A Era de Ouro, como ficou conhecida essa fase, teve seu auge com personagens como:

Flash Gordon, de Alex Raymond;

Photobucket



Dick Tracy, de Chester Gould;

Photobucket


Tarzan, uma adaptação de Harold Foster para o personagem de E. R. Burroughs (do livro Tarzan, o filho das selvas).


Photobucket



Nessa nova fase, surgiu mais um gênero, tipicamente americano: o super-herói, como o Super-Homem, de Siegel e Shuster.


Photobucket


As histórias em quadrinhos significaram mais do que um simples divertimento. O governo americano as utilizava como armas ideológicas para elevar o moral dos soldados e do povo em época de guerra. Alguns personagens em quadrinhos se alistaram na Segunda Guerra Mundial, incentivando jovens americanos a tomar a mesma postura. O herói que mais teve presença nesse período foi o Capitão América, de Jack Kirby e Joe Simon.


Photobucket



Na década de 1940, foi criado o formato das revistas em quadrinhos que se conhece até hoje, e foi assim que estas chegaram ao Brasil, nesse ano.

Na década de 1950, as histórias em quadrinhos sofreram uma crise de identidade e foram duramente criticadas em razão de seu teor de indução em massa. Foi criado, então, um Código de Ética, mas nesses tempos de liberdade de criação e expressão reduzidas, os roteiros das histórias foram camuflados com textos aparentemente inofensivos que induziam nas entrelinhas.

Na década de 1960, voltou com força total o gênero dos super-heróis, como o Homem-Aranha, criado por Stan Lee e Esteve Ditko.


Photobucket


Nessa mesma década e a partir da década de 1970, os quadrinhos underground - com temas que abordavam o subconsciente norte-americano, as crises existenciais, os auto questionamentos -, criados por Robert Crumb, fizeram e ainda fazem sucesso.


Photobucket


Marjorie Henderson Buell, conhecida como Marge, nos encantou com os personagens da Turma do Bolinha e da Luluzinha.


Photobucket



Photobucket


Hanna Barbera com uma infinidade de personagens, que ainda hoje são atuais.


Photobucket


Photobucket


Charles Schulz, com os personagens da Turma de Charlie Brown


Photobucket


No Brasil, vários cartunistas ganharam destaque pela criatividade:

Henfil (personagens: Graúna e Zeferino),


Photobucket


Photobucket


Ziraldo (personagens: Pererê e Menino Maluquinho),

Photobucket


Péricles (personagem: O Amigo da Onça),

Photobucket


Maurício de Sousa (personagens: Cebolinha, Mônica , Cascão ),

Photobucket


Fernando Gonsales (personagem: Níquel Náusea),

Photobucket


Angeli (personagem: Rebordosa),

Photobucket

Millôr Fernandes, entre outros.


Photobucket



Maurício de Sousa é considerado sem sombra de dúvida o maior cartunista brasileiro voltado para o mundo infanto-juvenil, mas que agrada também os adultos e criador da famosa "Turma da Mônica". Leia AQUI sua trajetória.


E seguindo a evolução natural da comunicação, o sucesso dos personagens dos quadrinhos passaram do papel ao mundo do cinema e televisão, mantendo viva as histórias que tanto fascinam gerações.


Photobucket


Fonte: Internet - diversas pesquisas

Para quem gosta (ama) os gibis acesse esse Site (seguro), que será direcionado para vários links.

sábado, 29 de janeiro de 2011

DIA 30 DE JANEIRO - DIA DA SAUDADE



Photobucket
No dia 30 de janeiro se comemora o Dia da Saudade.

A palavra vem do latim "solitate", que na tradução literal quer dizer solidão. Mas em nossa língua ela adquiriu um significado bem mais romântico, como nos mostra o Dicionário Aurélio:

Saudade: Substantivo feminino - Lembrança nostálgica e, ao mesmo tempo, suave, de pessoas ou coisas distantes ou extintas, acompanhada do desejo de tornar a vê-las ou possuí-las; nostalgia.

Em outras línguas não existe uma palavra capaz de traduzir o significado amplo de saudade, mas algumas delas trazem conceitos próximos, porém não tão completos.

Em inglês, saudade é “I miss you” que quer dizer sinto sua falta;

Em Francês “souvenir”, que significa lembrança;

"tu me manques", que significa sinto tua falta;

Em italiano “ricordo affetuoso”, recordação afetuosa;

Em espanhol “recuerdo ou "te extraño mucho", que significam lembrança e sinto falta.

Temos saudades de pessoas, de momentos, de situações, de lugares. Sentimos falta de tudo o que nos faz bem. E, como dizem que relembrar é viver, a saudade nos transporta para um tempo em que fomos mais felizes, trazendo, muitas vezes, lembranças doloridas.

Este sentimento sempre foi tema de músicas, poemas, filmes e não há quem já não o tenha sentido.


Charlie Chaplin sabiamente disse:

“Sorri quando a dor te torturar
e a saudade atormentar
os teus dias tristonhos vazios”;


Luis Fernando Veríssimo declara que

“Não deixe que a saudade sufoque,
que a rotina acomode,
que o medo impeça de tentar”;

Vinícius de Moraes e Tom Jobim cantaram a saudade dizendo:

“Chega de saudade,
a realidade é que sem ela não há paz,
não há beleza é só tristeza
e a melancolia que não sai de mim,
não sai de mim,
não sai”.

Mário Quintana nos deixou um poema lindo:

Saudade

Na solidão na penumbra do amanhecer.
Via você na noite, nas estrelas, nos planetas,
nos mares, no brilho do sol e no anoitecer.

Via você no ontem , no hoje, no amanhã...
Mas não via você no momento.

Que saudade...


Photobucket



E para desejar a todos um Dia da Saudade cheio de boas lembranças, repasso aqui a mensagem que recebi do escritor e poeta Antônio Marcos Pires, que pode ser ouvida AQUI


SAUDADE É VIDA!

Intérprete: Roberto Canazio

Saudade é sinônimo de vida já vivida,
De sonhos sonhados e realizados!
Saudade revigora, trás de volta
boas lembranças pra dentro da nossa memória!
Saudade é recordação de bons tempos de amor e paz
que muitas vezes, não voltam mais!
Saudade é serenidade, é cheiro de mato,
É sentimento gostoso, que afaga o coração
e dá sentido a vida para não ficar com o pensamento vazio.
Saudade é sinal de alegria, de flor colhida num jardim florido,
É lua, é céu...
Saudade dá uma gostosa nostalgia e tira dos lábios
um sorriso de satisfação.
Saudade é lembrança da infância. Do corre corre no pátio da escola, das brincadeiras, do jogo de dominó, do filme que fez chorar, do filme que fez dar gargalhadas
e dos passeios no parque comendo pipoca.
Saudade do abraço, do beijo, da primeira chuva,
da primeira casa, do primeiro amor....
Eterna saudade que enche o peito de felicidade e dá brilho
nos olhos, porque saudade, embora deixe um pouco de nostalgia
é sinônimo de sorriso e alegria!


© Antonio Marcos Pires


Photobucket

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

25 JANEIRO - DIA NACIONAL DA BOSSA NOVA




Photobucket

Nesta terça-feira, 25 de janeiro,
dia do nascimento do compositor Antonio Carlos Brasileiro Jobim,
é comemorado o dia nacional da Bossa Nova.


Ritmo musical e movimento cultural, cuja expressão maior é o compositor baiano João Gilberto,

com sua batida sincopada e acordes dissonantes, a Bossa Nova, é a mais nova expressão da cultura brasileira a ser homenageada com a decretação de uma data comemorativa.
A lei estabelecendo a criação do Dia Nacional da Bossa Nova foi sancionada pelo então presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, e publicada no Diário Oficial da União, em dia 17 de abril de 2009.

A data passa a ser comemorada em todo o país em 25 de janeiro, dia do nascimento de um dos grandes expoentes do gênero musical, genuinamente brasileiro, Tom Jobim.

Photobucket

O projeto de lei de autoria do deputado federal Chico Alencar (PSOL-RJ), que propôs mais esta homenagem à Cultura nacional, recebeu parecer técnico favorável da Secretaria da Identidade e da Diversidade Cultural do Ministério da Cultura.
No parecer, a equipe do MinC reconhece o valor histórico e a contribuição deste gênero musical na composição da identidade nacional. Considera que a nova data comemorativa contribuirá para o propósito institucional de reconhecimento, promoção e proteção da Cultura brasileira, além de render justa homenagem a um grande ícone da música popular do país.

A Bossa Nova nasceu no Brasil, no final da década de 50, como uma nova forma de tocar e cantar o samba, de uma maneira mais suave e minimalista. Ao longo dos anos, tornou-se um dos movimentos musicais brasileiro mais conhecido em todo o mundo, associado a nomes como João Gilberto, Vinicius de Moraes, Antônio Carlos Jobim e Luiz Bonfá. Um embrião do movimento foram as reuniões de músicos de classe média, na zona sul carioca, principalmente no apartamento da cantora Nara Leão. Nestes encontros, o grupo de amigos reunia-se para ouvir e fazer músicas. Entre os participantes estavam Billy Blanco, Carlos Lyra, Roberto Menescal, Sérgio Ricardo, Chico Feitosa, João Gilberto, Luis Carlos Vinhas, Ronaldo Boscoli, entre outros.


Um link ótimo sobre a Bossa Nova:
Eepam - Bossa Nova







Google homenageia Tom Jobim com doodle especial

Photobucket



25 JANEIRO - FUNDAÇÃO DE SÃO PAULO





Photobucket

Dia 25 de janeiro é comemorado o Aniversário da Cidade de São Paulo.
É dia de festa para os paulistanos!




Em 24 de dezembro de 1553, junto com um novo grupo de jesuítas solicitado por Manoel da Nóbrega, chega o irmão José de Anchieta, com 19 anos de idade. Mais tarde, este religioso viria a ser cognominado "Apóstolo do Brasil" e primeiro poeta da literatura luso-brasileira.
Logo depois do dia de Reis, o grupo sobe a serra de Paranapiacaba, em direção à Santo André da Borda do Campo, diretamente para a casa do João Ramalho, após 18 dias de jornada. No dia seguinte, tomam o caminho de Piratininga, na busca de um local para a fundação do Colégio dos Jesuítas. Escolhem uma colina chamada Inhapuambuçu, sobre o vale do Anhangabaú, e constróem um barracão que viria a funcionar como escola de catequese. Ainda na manhã de 25 de janeiro de 1554, Manoel de Paiva, que viria a ser o primeiro diretor do colégio, celebra, assistido por José de Anchieta, a missa campal que marca o início do funcionamento do Real Colégio de Piratininga.
O nome São Paulo foi escolhido porque no dia da fundação do colégio era o dia 25 de janeiro que a Igreja Católica celebra a conversão do apóstolo Paulo de Tarso, conforme informa o padre José de Anchieta em carta aos seus superiores da Companhia de Jesus:
-"A 25 de Janeiro do Ano do Senhor de 1554 celebramos, em paupérrima e estreitíssima casinha, a primeira missa, no dia da conversão do Apóstolo São Paulo e, por isso, a ele dedicamos nossa casa".



Photobucket


Photobucket




25 JANEIRO - DIA DO CARTEIRO






Faça chuva, faça sol, ele entrega cartas, mensagens e encomendas aos seus devidos destinatários, cumprindo um itinerário preestabelecido, depois de ordená-las rigorosamente.
Também devolve ao remetente o que não pode ser entregue ou providencia o seu encaminhamento para o destino certo.


Em 25 de janeiro de 1663, foi criado o Correio-Mor no Brasil, nome dado à função de carteiro naqueles tempos. Luiz Gomes da Matta Neto, que já atuava como Correio-Mor em Portugal, assumiu o posto no Brasil e se tornou o responsável pela troca de correspondências da Corte.

As outras pessoas que quisessem enviar correspondências, tinham de utilizar os serviços de mensageiros, viajantes (como tropeiros ou bandeirantes), ou de escravos.
Só a partir do ano de 1835, a Empresa de Correios deu início à entrega de correspondências em domicílios. E em 1852, o telégrafo foi introduzido no Brasil.

Em quase 350 anos de atividade, muita coisa se transformou. Novas formas de entrega foram sendo somadas às mais antigas. Os "sedex" - serviços de encomenda expressa - podem entregar uma mercadoria em outro estado até no mesmo dia. Por outro lado, ainda há distritos onde não há atendimento domiciliar, cujos moradores resgatam suas cartas na paróquia local.

Mesmo em tempos de Internet e correio eletrônico, as caixinhas de correspondência não perderam sua função. Estão sempre abarrotadas de publicidades, periódicos e faturas, mas às vezes também nos trazem cartas de longe, de parentes ou conhecidos que ainda não usam correio eletrônico ou redes sociais. Precisamos dos carteiros até mesmo para receber encomendas de lojas virtuais.

Atualmente, 50 mil carteiros e carteiras dão conta da distribuição de aproximadamente 40 milhões de objetos diariamente, mantendo o referencial humano desta atividade que se tornou uma das de maior credibilidade junto à sociedade brasileira.


segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

24 JANEIRO - DIA DO APOSENTADO



Photobucket

O 24 de janeiro foi escolhido Dia do Aposentado porque nesta data, em 1923, ocorreu a assinatura da Lei Eloy Chaves, criando a caixa de aposentadorias e pensões para os empregados de todas as empresas privadas de estrada de ferro existentes. É o marco histórico da Previdência Social, que até então atendia apenas os funcionários do governo federal. Antes da assinatura, aconteceram fatos importantes (embora pontuais), como primeiro ato que concedeu o direito à aposentadoria aos empregados dos Correios, em 23 de março de 1888. A partir daí, sucessivas leis e decretos foram editados, mas sempre atendendo a setores específicos. Por isso, a data que representa a luta geral dos trabalhadores ficou marcada pela Lei Eloy Chaves.


Photobucket


Para refletir:

APOSENTADOS DA VIDA
(Magdalena Léa)

Com a palavra Mira y Lopez: "Um adulto comum, normal, que ganha a vida profissionalmente, vê-se, subitamente, inválido pela sociedade, que o condena, da noite para o dia, à inação, à inatividade e ao tédio, afastando-o do trabalho, para convertê-lo em um parasita dos cofres públicos, da família, ou da economia previdencial ou assistencial."

E isto é tanto mais triste quando sabemos que, se o trabalho o aposenta, o indivíduo se aposenta da vida. Sente-se esgotado, esvaziado de interesse. É como se, ao despedi-lo, o chefe lhe dissesse: "Pode ir embora, você não serve para mais nada."

E continua Mira y Lopez: "Curioso e paradoxal, no caso, é que os que assim legislam fazem-no pensando que, com a idade, se dá o desgaste e a deficiência do indivíduo, diminuindo as aptidões necessárias para o rendimento satisfatório do trabalho.

Se isto é assim, perguntamos por que se despede obrigatoriamente o porteiro, o ascensorista, o datilógrafo, o secretário, ou qualquer outro funcionário da empresa, e não se faz o mesmo com o chefe? Por que se supõe que, após os 65 anos, um homem não pode ser professor, mas pode ser Ministro da Educação? Não pode ser chefe de seção, mas pode ser Chefe da Nação?

Se você ocupa um posto medíocre, jubilam-no a uma idade determinada, mas se você é bispo, deputado, banqueiro, homem de negócios, escritor afamado ou qualquer outra pessoa de prestígio, estará a salvo, mesmo que sua mente deixe de ser normal e se torne esclerosada e retrógrada.

É óbvio que nos achamos diante um contra-senso que tem de ser sanado quanto antes, substituindo-se o critério de idade e de posição pelo de capacidade e rendimento."

Assim falou Mira y Lopez, em seu livro "A Arte de Envelhecer", em 1961. E, ainda hoje, as leis se baseiam no pressuposto da deficiência de rendimento, no trabalho das pessoas de idade.

Tudo isso é verdade. A lamentável verdade.

Mas você não há de viver se lamentando; é um desgaste inútil de energia. A revolta não resolve. Você pode e deve usar sua energia para conduzir-se na nova situação. E então usufruir a vida até a última gota. Esta vida que lhe foi dada para ser vivida e não sofrida.

O medo da aposentadoria tem íntima ligação com o medo da velhice. Aposentado e velho são tidos como sinônimos. Daí o impacto.

Será bom observar que ao longo da vida se nos apresentam aposentadorias nos vários setores - de família, de trabalho, e sócio-sexual.

Ao chegar à idade madura, o homem está se aposentando da mocidade, e num suspiro sai: "Já não sou mais jovem..." No teatro da vida, já não é mais o "mocinho", é o pai do "mocinho".

Aposenta-se como chefe de família, ao deparar-se com os filhos já adultos, que erguem o nariz mais alto que eles. Suspiram. "Já não sou o maior..."

É mais ou menos pelo mesmo tempo que lhe vem a aposentadoria do trabalho e, então, aquele suspiro fundo: "Não sou mais ninguém... não sirvo para mais nada..."

A soma das frustrações leva à depressão e a depressão à impotência sexual, já que ele se sente impotente em tantos setores. E aí, o suspiro quase que é o último: "Já não sou mais homem..."

Quanto à mulher, sofre também suas aposentadorias; da mocidade ao nascer da primeira ruga; de mulher, com a vinda da menopausa; e de mamãe, quando o filhão diz: "tchau, mãe" e ela não é mais necessária; a do trabalho também, agora que tendo se igualado ao homem, ganhou seus direitos e... seus deveres.

Eis o campo aberto para doenças psicossomáticas, que são as respostas do organismo ao stress, fruto das emoções negativas, das frustrações.

É certo que o trabalho cria no indivíduo um hábito enraizado, um vício difícil de vencer. Aquela coisa de sair todos os dias, faça chuva, ou faça sol, com frio ou com calor, e enfrentar o trânsito engarrafado na angústia do horário fixo. E no ambiente do trabalho há problemas de relacionamentos com colegas e chefes.

Embora sejam coisas bastante desagradáveis, estão inseridas no ritmo de vida do indivíduo e ele pensa que não pode parar. Pode.

Paradoxalmente, vemos nos jornais que as mulheres pleitearam na Constituinte o direito à aposentadoria, aos vinte e cinco anos de serviço, e que os homens protestaram contra a discriminação injusta para com eles, que têm de cumprir trinta anos.

E então? A aposentadoria é um prêmio ou um castigo?

Aposentando-se mais cedo, haverá mais tempo para realizações. É o tempo integral o merecido prêmio pelos anos de trabalho.

De um ângulo positivo de visão, a compulsória, que tanto amedronta e desgosta, pode ser vista, não como um fim, mas como um novo começo.

E a vida aí está. Se ela mudou, mude você com ela. Ponha a sua energia a serviço de construir uma nova etapa.

Não podemos ficar parados à espera de que algo de bom e de justo aconteça. A espera pode ser longa e nos levar à desesperança.

Lamentar o que está errado no mundo não será a solução. São tantas as coisas que vemos, que precisam de correções urgentes. E que podemos fazer? Nada? Nada, não.

Podemos dizer que, a cada ano, sobe a média de vida e a capacidade para se ser forte de corpo e mente, não se deixando abater.

A Dra. Bernice Sachis, psiquiatra norte-americana, declarou em um Congresso, que mais da metade das pessoas que procuram médicos por causa de problemas físicos têm problemas emocionais, que são, em parte ou totalmente, responsáveis pelos distúrbios.

Magdalena Léa
poetisa e escritora.
Autora do livro "Quem Tem Medo de Envelhecer?"




Sobre a aposentadoria:

APOSENTADORIA, UM DIREITO DE TODO O CIDADÃO!
Certamente, você já ouviu falar da Previdência Social. Você sabe o que significa esta, que é considerada um direito de todo cidadão brasileiro?
Pois bem, se você não sabe, vai saber agora. A Previdência Social estabelece e rege um contrato que o trabalhador faz com o governo federal. Nesse contrato, ele se compromete a pagar, todo mês, uma quantia previamente calculada, ao Ministério da Previdência e Assistência Social (MPAS).
O Ministério, por sua vez, se compromete a devolver a quantia sob a forma de benefícios, sempre que o empregado não puder trabalhar temporariamente, por ter sofrido um "acidente de trabalho" ou se aposentar por opção ou por invalidez.
Benefícios da Previdência Social
Aposentadoria por idade
Têm direito ao benefício os trabalhadores urbanos do sexo masculino, aos 65 anos, e do sexo feminino, aos 60 anos de idade. Os trabalhadores rurais podem pedir aposentadoria por idade com cinco anos a menos: aos 60 anos, homens, e aos 55 anos, mulheres.
Para solicitar o benefício, os trabalhadores urbanos, inscritos a partir de 25 de julho de 1991, precisam comprovar 180 contribuições mensais. Os rurais têm de provar, com documentos, 180 meses de trabalho no campo.
Aposentadoria por invalidez
Benefício concedido aos trabalhadores que, por doença ou acidente, forem considerados, pela perícia médica da Previdência Social, incapacitados para exercer suas atividades ou outro tipo de serviço que lhes garanta o sustento.
Não tem direito à aposentadoria por invalidez quem, ao se filiar à Previdência Social, já tiver doença ou lesão que geraria o benefício, a não ser quando a incapacidade resultar no agravamento da enfermidade.
Aposentadoria por tempo de contribuição
Pode ser integral ou proporcional. Para ter direito à aposentadoria integral, o trabalhador homem deve comprovar pelo menos 35 anos de contribuição e a trabalhadora mulher, 30 anos. Para requerer a aposentadoria proporcional, o trabalhador tem que combinar dois requisitos: tempo de contribuição e a idade mínima.
Aposentadoria especial
Benefício concedido ao segurado que tenha trabalhado em condições prejudiciais à saúde ou à integridade física. Para ter direito à aposentadoria especial, o trabalhador deverá comprovar, além do tempo de trabalho, efetiva exposição aos agentes físicos, biológicos ou associação de agentes prejudiciais pelo período exigido para a concessão do benefício (15, 20 ou 25 anos).

quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

21 JANEIRO - DIA MUNDIAL DA RELIGIÃO




No dia 21 de janeiro é comemorado o dia mundial da religião. A criação da data entrou em vigor a partir de 1949, em razão das divergências de opiniões e dos conflitos ao longo da história da humanidade, pela Assembléia Espiritual Nacional, composta pela Comunidade Bahá'í (Pérsia), numa proposta de paz e promover a união de todas as religiões existentes no mundo, levando mais fé e esperança ao povo.

Vinda do latim, a expressão religião (religare) significa restaurar a relação do homem com o universo sagrado, através da fé, estendendo-se a crenças variadas.



As religiões surgiram para tentar responder a uma série de perguntas,
que sempre estiveram presentes ao longo de nossa história:


De onde vim?
Para onde vou depois que morrer?
Viverei mais de uma vez?
Como o mundo passou a existir?
Que forças governam nossa existência?

Cada religião apresenta suas características e seus ritos sagrados, como a peregrinação à terra santa para os muçulmanos ou a confissão para os católicos.



Photobucket



As mais antigas religiões surgiram antes da era cristã, sendo elas o budismo, o taoísmo, o hinduísmo, o xintoísmo, o confucionismo dentre outras.
Mas as religiões consideradas como o berço das maiores crenças são de origem asiática e do Oriente Médio, que também são avaliadas como religiões mais antigas da humanidade, as monoteístas (crença em um único Deus), como o judaísmo, islamismo e o cristianismo.

Com o cristianismo, a igreja se dividiu em três vertentes: protestante, ortodoxa e católica. Expandiu-se na Europa a partir do século XX, atingindo a marca dos dois bilhões de fiéis. Seu livro sagrado é a bíblia, e traz como forma de vida os ensinamentos do filho do Messias, Jesus Cristo.

O islamismo atinge a marca de 1,2 bilhão de adeptos no Oriente Médio e na Ásia, fazendo da mesma a segunda mais seguida e também a religião que mais cresce no âmbito mundial. Seu livro sagrado é o Corão, que utiliza os ensinamentos do profeta Maomé (Muhammad). Eles acreditam que assim como Jesus recebeu mensagens divinas, Abraão, Moisés e Maomé também receberam, sendo que não existirá nenhum outro após Maomé.

O judaísmo nasceu no século XVII a.C, em Israel, seus seguidores acreditam ser descendentes de Abraão. A vida judaica é administrada pelo Tanach, seu livro sagrado, que apresenta 613 mandamentos fundamentais na Torá, seus cinco primeiros livros.

A maior nação católica do planeta é o Brasil, com cerca de 130 milhões de adeptos, que representam 73,8% da população. Mas as divergências religiosas têm aumentado o número de fiéis das igrejas evangélicas ou neopentecostais. Outro lado que tem crescido é o das pessoas que afirmam não seguir nenhuma religião. Os outros 5% se dividem entre judeus, doutrinas orientais, cultos afro-brasileiros e espíritas.





Photobucket





Related Posts with Thumbnails